terça-feira, 11 de maio de 2010

Convocação da Seleção Brasileira


Treinador brinca, sorri e diz que falta de experiência na Seleção pesou na decisão de não levar Paulo Henrique Ganso e Neymar

Por GLOBOESPORTE.COMRio de Janeiro
Depois de anunciar os 23 jogadores que irão à Copa de 2010, na África do Sul (e a lista dos sete suplentes), o técnico Dunga compareceu nesta terça-feira à sede da TV Globo, no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, e deu entrevista na bancada doJornal Nacional. Descontraído, Dunga começou sorridente e respondeu com humor e segurança aos apresentadores William Bonner e Fátima Bernardes. Bonner começou perguntando sobre os ausentes célebres da convocação - como Neymar e Ganso. Dunga respondeu sem deixar dúvidas:
-  A história na seleção demonstra que jogadores sem experiência que foram à Copa do Mundo não deram muito certo. Mas eles são grandes jogadores.
Fátima Bernardes, a seguir, perguntou quando Dunga tinha fechado a lista de convocados.
- Fechamos a lista há uma semana. Mas ela foi feita em três anos e meio. Cada um teve sua oportunidade. Quem rendeu, ficou. 
Um telespectador perguntou como a seleção funcionaria sem Kaká. Dunga foi objetivo:
- Se nosso amigo lembrar... na Copa América não tivemos o Kaká. E a seleção foi competitva,  ganhamos da Argentina na final. Nas eliminatórias, o Júlio Baptista jogou ali e fomos bem. Nessa posição pode ser o Robinho também. Mas o Kaká é o Kaká,  tem sua característica. Os outros não vão jogar como Kaká. 
A pergunta seguinte, de Fátima Bernardes, foi sobre o adversário mais preocupante na primeira fase. E também depois, em caso de classificação. 
- Eu parto do princípio que primeiro jogo é o importante. Mas, pela trajetória, é Portugal. Depois, acredito muito na Inglaterra. Mesmo sem Rooney, porque o Capello é um grande treinador. E a Espanha... por aquilo que tem feito - disse Dunga. 
O treinador falou também sobre paixão, disse que se emocionou com a reação de Gilberto Silva - convocado para mais uma Copa do Mundo - e lamentou ter que desistir de alguns jogadores.
- Por vezes sou encantado com um jogador... mas ele chegou na hora e não rendeu. Não podemos levar.  
O técnico gostou da comparação com a seleção de 1994 - dizendo que esse foi um de seus objetivos, ao lado do auxiliar Jorginho, resgatar a vontade de jogar pelo Brasil. No fim da entrevista, Fátima Bernardes brincou e perguntou se o técnico já tinha se acostumado a ser chamado de professor. Dunga sorriu e respondeu:
- Não porque minha mãe é professora. Fico meio constrangido.